Aposentadoria por tempo de contribuição – O que muda com a reforma da previdência!

Aposentadoria por tempo de contribuição – O que muda com a reforma da previdência!

Tempo de leitura: 5 minutos

Durante oito meses, essa versão da reforma da previdência tramitou pelo congresso nacional. Entre idas e vindas a proposta original foi sofrendo alterações e agora já está valendo. Dentre as mudanças prevista está a aposentadoria por tempo de contribuição.

Segundo estimativas, a economia para os cofres públicos com a reforma da previdência será de R$ 800 bilhões em 10 anos. Com isso, há esperança de que o Brasil entre novamente na rota do crescimento econômico e atraia mais investimentos externos.

Mas e como fica para os trabalhadores do Brasil? Será realmente que se aposentar ficará mais difícil? Vamos entender um pouco mais sobre essas mudanças neste artigo.

Qual a principal mudança da reforma da previdência?

aposentadoria por tempo de contribuição

Para os funcionários do setor privado, a mudança de maior destaque é que agora há uma idade mínima para aposentadoria. Sendo assim, homens somente poderão se aposentar após os 65 anos e mulheres após os 62 anos.

Com isso, a aposentadoria somente por tempo de contribuição chega ao seu final. Até então era possível se aposentar por tempo de contribuição, independentemente da idade. Isso já não é mais possível.

Antes da reforma da previdência homens que contribuíssem durante 35 anos com a previdência poderiam se aposentar, independente de sua idade. Já as mulheres ao completar 30 anos de serviço poderiam almejar a tão sonhada aposentadoria.

Fora isso, além da idade mínima para se aposentar, também deverá ser respeitado o tempo mínimo de contribuição. Sendo assim, os homens deverão contribuir no mínimo em 20 anos e mulheres em 15 anos.

Quer aprender a investir melhor? Descubra neste artigo – 7 Livros sobre investimentos para download gratuito.

E como ficam os trabalhadores que já estavam quase atingindo a aposentadoria por tempo de contribuição?

Embora as regras acima citadas foram estabelecidas para todos os trabalhadores do setor privado, foram colocados algumas ressalvas na reforma. E uma delas é a regra de transição para o setor privado.

Vamos imaginar que um homem tenha contribuído durante 35 anos, e no ano que vem se aposentaria por tempo de contribuição. Nesse caso, ele poderá pagar um pedágio de 50% para se aposentar. Ou seja, trabalhar mais meio ano.

Caso faltassem 2 anos para se aposentar, o pedágio seria de mais um ano de contribuição. Entretanto, o pedágio de 50% somente vale para quem já contribuiu acima de 33 anos para homens e 28 anos para mulheres.

Para quem contribuiu com menos tempo haverá um pedágio de 100% e uma idade mínima de aposentadoria de 57 anos para mulheres e de 60 anos para homens. Vamos exemplificar:

Quem não se enquadrar nessas hipóteses de pedágio citadas, precisarão seguir a regra geral, ou seja, idade mínima de 65 anos para o homem e 62 anos para a mulher.

Transição da aposentadoria por tempo de contribuição por pontos

Além do que já citamos, também haverá a possibilidade de se aposentar por tempo de contribuição atingindo os pontos determinados em uma tabela. Esses pontos representam a idade do trabalhador e mais o tempo de contribuição.

Nesse caso, uma mulher que tivesse 55 anos de idade no ano de 2020 e um tempo de contribuição de 32 anos poderia se aposentar por pontos. (55 + 32 = 87).

Aposentadoria por tempo de contribuição nas regras de transição

Homens e mulheres também poderão se aposentar com idade mínima inferior ao previsto na reforma, desde que tenham atingido o tempo de contribuição (35 anos para homens e 30 para mulheres).

Sendo assim, de acordo com a tabela abaixo tanto homens quanto mulheres poderão se aposentar nos próximos anos seguindo essas idades mínimas ao atingir o tempo de contribuição.

Nesse exemplo, uma mulher que em 2021 tenha 57 anos de idade e tenha atingido os 30 anos de contribuição poderá se aposentar pelos critérios desta tabela.

Atente-se para as mudanças

Como vimos neste artigo, a reforma da previdência traz diversas mudanças para os trabalhadores. Por isso é importante estar atento à elas e buscar alternativas para se aposentar com mais tranquilidade.

Nesse sentido, para se alcançar a aposentadoria mais rapidamente, e a tão sonhada liberdade financeira é fundamental fazer uma previdência privada. A previdência privada pode ser feita de diversas maneiras.

Investimento em planos previdenciários privados ou até mesmo na construção de investimentos onde a rentabilidade vai sendo reaplicada. Enfim, pelo que observamos será cada vez mais arriscado depender unicamente da previdência social para se aposentatar.

Tem receios em relação à sua aposentadoria? Então saiba que o melhor investimento que você pode fazer no momento é na sua educação financeira. Conheça o curso Investidor de Valor e aprenda a investir com segurança e independência para garantir uma aposentadoria digna.

Em resumo:

  • A reforma da previdência foi aprovada recentemente pelo congresso nacional e deverá ajudar a equilibrar as contas públicas nos próximos dez anos.
  • Houve inúmeras mudanças no critério de aposentadoria, sendo que a aposentadoria por tempo de contribuição deixa de existir.
  • Homens deverão ter a idade mínima de 65 anos para se aposentar enquanto que as mulheres se aposentarão somente com 62 anos.
  • Para quem estava prestes a se aposentar, há regras de transição que irão ajudar um pouco esses trabalhadores.
  • Devido à dificuldade maior no momento de aposentar é necessário que as pessoas pensem cada vez mais em complementar a sua aposentadoria por meio dos investimentos.

E você está atento para essas mudanças? Já vem investindo na sua aposentadoria? Deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe essa notícia!